segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Igreja de São Vicente de Fora, Lisboa, Parte II

Igreja de São Vicente de Fora @ Lisboa.
22.Outubro.2011.
Fotografia & Edição: Marta Araújo.


Clica na fotografia para aumentar !!




"Apresenta planta retangular com uma fachada de tipo italiano, sóbria e simétrica, com uma torre de cada lado e as estátuas dos santos Agostinho, Sebastião e Vicente sobre a entrada.

No interior, destacam-se:
  • um baldaquino em estilo barroco de autoria de Machado de Castro, por cima do altar, flanqueado por estátuas de madeira em tamanho natural.
  • um órgão ibérico construído em 1765 pelo organeiro João Fontanes de Maqueixa e restaurado em 1994 pelos franceses Claude e Christine Rainolter. Trata-se de um dos melhores e maiores exemplares da organaria portuguesa do século XVIII.
O antigo mosteiro agostiniano adjacente, com acesso pela nave, conserva a sua cisterna do século XVI e vestígios do antigo claustro. Destaca-se ainda pelos seus paineis de azulejos do século XVIII: à entrada, junto ao primeiro claustro, estão representadas cenas do ataques de D. Afonso Henriques a Lisboa e Santarém da autoria de Manuel dos Santos. Em volta dos claustros, painéis de azulejos com cenas rurais, rodeados por desenhos florais e querubins, ilustram as fábulas de La Fontaine.

Nas dependências da Igreja está localizado o Panteão Real dos Braganças."

domingo, 29 de setembro de 2013

Igreja de São Vincente de Fora, Lisboa.

Igreja de São Vincente de Fora @ Lisboa.
22.Outubro.2011.
Fotografia & Edição: Marta Araújo.


Clica na fotografia para aumentar !!


"A Igreja de São Vicente de Fora, também referida como Mosteiro de São Vicente de Fora, localiza-se no bairro histórico de Alfama, na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal.

Remonta a uma igreja, principiada em 1582 no local onde D. Afonso Henriques havia mandado construir um primitivo templo também sob a invocação de São Vicente. Esse santo foi proclamado padroeiro de Lisboa em 1173, quando as suas relíquias foram transferidas do Algarve para uma Igreja fora das muralhas da cidade.
Concluída em 1627, a sua traça é de autoria do arquiteto Filippo Terzi.

A 4 de Dezembro de 1720, João Frederico Ludovice foi nomeado como "Mestre Arquitecto das Obras do Real Mosteiro de São Vicente de Fora", sucedendo ao arquitecto Luís Nunes Tinoco:

"...D. João por graça de Deus, ...faço saber aos que esta minha carta virem que Eu Hey por bem fazer mercê a João Frederico Ludovice da propriedade do offício de Mestre Architecto das Obras do Real Mosteiro de São Vicente de Fora para o servir assi e da maneira que o servirão seus antecessores..." (ANTT)

É de autoria deste profissional o imponente altar barroco, encomendado por D. João V de Portugal, que ocupa o centro da Capela-mor. Colocado sob o baldaquino, assenta em quatro potentes colunas. Sobre altos plintos destacam-se oito imagens monumentais, de madeira pintada de branco, ao gosto italianizante da Escola de Mafra Ludoviciana, representando São Vicente de Fora e São Sebastião, tendo sido executadas por Manuel Vieira, a quem se devem ainda as belas esculturas de anjos, colocadas sobre as portas de acesso ao côro dos cónegos.
Desde o início de Agosto de 2008 até 22 de Janeiro de 2011 a igreja encontrou-se fechada ao público por falta de condições de segurança, devido a consideráveis quedas de estuque e argamassa no seu interior, alguns pesando mais de um quilograma, a cair de uma altura de cerca de vinte metros.

As obras de restauro da Igreja, destruíram estuques pintados nos tectos. Parte da operação foi autorizada por técnicos ao serviço do Estado, que entenderam que não se justificava refazer os estuques, uma vez que eles não eram originais da época de construção do templo (século XVII), mas houve áreas deste monumento nacional onde a Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo, que acompanhou os trabalhos, assegura não ter autorizado qualquer remoção de estuques."
 




segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Panteão Nacional, Lisboa.

Cúpula do Panteão Nacional @ Lisboa.
22.Outubro.2011.
Fotografia & Edição: Marta Araújo.


Clica na fotografia para aumentar !!


"O actual templo situa-se no local de uma primitiva igreja, erguida em 1568 por determinação da Infanta D. Maria, filha de Manuel I de Portugal, por ocasião da criação da antiga freguesia de Santa Engrácia.
Essa antiga igreja, severamente danificada por um temporal em 1681, foi alvo de constantes modificações e alterações, de tal modo que hoje nada resta dela.
A primeira pedra do actual edifício, o primeiro em estilo barroco no país, foi lançada em 1682. As obras perduraram tanto tempo que deram azo à expressão popular "obras de Santa Engrácia" para designar algo que nunca mais acaba. A igreja só foi concluída em 1966, 284 anos após o seu início.
O edifício é coroado por um zimbório gigante. O seu interior está pavimentado com mármore colorido."

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Panteão Nacional, Lisboa.

Panteão Nacional @ Lisboa.
22.Outubro.2011.
Fotografia & Edição: Marta Araújo.


Clica na fotografia para aumentar !!


"A Igreja de Santa Engrácia localiza-se na freguesia de São Vicente, anteriormente na freguesia de São Vicente de Fora, em Lisboa, Portugal. Passou a ter a função de Panteão Nacional a partir de 1916. O estatuto de Panteão Nacional foi reconhecido ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra em Agosto de 2003."

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Campo de Santa Clara, Lisboa.

Campo de Santa Clara @ Lisboa.
22.Outubro.2011.
Fotografia & Edição: Marta Araújo.


Clica na fotografia para aumentar !!


"O Campo de Santa Clara é um largo em Lisboa.
O Campo deve o seu nome ao Mosteiro das Clarissas aí construído em 1294 e que foi destruído pelo terramoto de 1755).
O Jardim Boto Machado, o Mercado de Santa Clara e um conjunto relevante de edifícios civis e militares encontra-se neste local.
É também aí que se organiza, desde 1882, a Feira da Ladra".


 

domingo, 1 de setembro de 2013

Panteão Nacional, Lisboa.

Panteão Nacional @ Lisboa.
22.Outubro.2011.
Fotografia & Edição: Marta Araújo.


Clica na fotografia para aumentar!


"Admiro a terra, quero-a, sempre gostei dela. Sempre me senti feliz por estar vivo: apesar da guerra, das más notícias, não sou capaz de matar em mim a simples alegria de viver."


"A designação de Panteão Nacional em Portugal é partilhada por dois monumentos:
  • a Igreja de Santa Engrácia, em Lisboa;
  • o Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra."